domingo, 10 de julho de 2011

Serra do Mar tem um caso grave de perdidos por mês em 2011


A intensa vegetação e as águas cristalinas atrai amantes do turismo ecológico para o Parque Estadual da Serra do Mar, em São Paulo. Mas o despreparo de grupos que se aventuram em matas pode levar por água abaixo o prazer de botânicos e trilheiros. Desde o início de 2011, pelo menos sete ocorrências de perdidos consideradas graves foram registradas na região, segundo o Corpo de Bombeiros, numa média de 1 caso por mês.

Os bombeiros chamam de "grave" as buscas que demandaram um intenso esforço de equipes de resgates. O caso mais recente foi registrado no último sábado, quando sete pessoas se perderam em uma região de mata fechada e só foram encontradas na terça-feira, com a ajuda do helicóptero Águia-3, da Polícia Militar.

O parque da Serra do Mar compreende uma área de 315 mil hectares entre a divisa de São Paulo com o Rio de Janeiro até o município de Itariri, no sul do Estado. A área possui cerca de 450 km de trilhas, além dos caminhos clandestinos abertos por caçadores ou por pessoas que realizam a colheita ilegal de palmito, conhecido como "palmiteiros". Para o Corpo de Bombeiros, essas trilhas ilegais agravam as ocorrências de perdidos na serra.

"Normalmente essas pessoas (que se perdem) erram em tudo. Não se preparam, não conhecem a região, não tomam os devidos cuidados de avisar ao parque ou aos bombeiros que horas vão entrar ou que horas pretendem sair. Às vezes nem os familiares sabem que eles estão na mata", afirmou o capitão Valdir Pavão, do Corpo de Bombeiros.

A maior dificuldade para encontrar os grupos perdidos, de acordo com o Pavão, é a falta de referência passada às equipes de resgate. Algumas turmas de trilheiros costumam iniciar as caminhadas em estradas que cortam a Serra do Mar, onde ficam as trilhas clandestinas.

"Existem trilhas de mateiros, dos famigerados palmiteiros - eles são talvez os que mais abrem trilhas clandestinas - e os bombeiros não têm isso mapeado. O que dificulta geralmente é que a gente não tem referência de onde as pessoas entraram. A área é muito grande", disse.

Crime ambiental
A extração de palmito em áreas de preservação é considerada crime ambiental. Por meio dos caminhos clandestinos, contraventores cortam o palmito-juçara, espécie presente na Serra do Mar, e vendem o alimento em recipientes com rótulos irregulares. Pelo menos duas operações resultaram em prisões neste ano na Serra do Mar. De janeiro a junho, a Polícia Ambiental apreendeu quase 4 mil palmitos in natura na região.

Mas além da extração, a Polícia Ambiental também considera crime entrar em áreas de preservação sem autorização. "Esses espaços, como o Parque Estadual da Serra do Mar, são especialmente protegidos e entrar neles sem autorização é considerado crime. Se o cidadão não estiver avisado e ele entra em um parque estadual com um facão, ou com um material de pesca, ele pode estar cometendo dois crimes", afirmou o major Amaury Kruel Moutinho, coordenador operacional do 3º Batalhão de Polícia Ambiental.

A simples entrada em área de preservação pode render uma multa entre R$ 1 mil e R$ 10 mil, dependendo do caso. "Claro que se o cidadão está perdido e debilitado na mata, o policial vai ter o bom senso de não multá-lo. Mas já tivemos casos de pessoas que não conseguiram autorização para adentrar a mata e acabaram sendo multadas por infringir a determinação", disse.

Cuidados
O Parque Estadual da Serra do Mar é administrado por núcleos e possui trilhas monitoradas, com guias especializados na mata. Essa é a forma mais segura de conhecer a região. Uma relação dos parques estaduais de São Paulo pode ser conferida no site da Fundação Florestal, responsável pelas áreas de conservação (http://bit.ly/p2sVB2). O Corpo de Bombeiros orienta que os trilheiros tomem alguns cuidados:

Referência: os grupos devem possuir uma referência exata do local por onde entraram na mata.

Comunicar autoridades: é ideal comunicar administradores do parque, a Polícia Ambiental ou o Corpo de Bombeiros sobre quando e por onde o grupo pretende entrar na mata.

Celular e GPS: foi por meio do celular que os bombeiros conseguiram localizar grupos perdidos na Serra do Mar. Em alguns pontos da mata, é possível conseguir sinahttp://www.blogger.com/img/blank.gifl de cidades próximas. O GPS, mesmo com os "pontos de sombra" na Serra do Mar, é considerado um item importante.

Vestimentas adequadas e barracas: a Serra do Mar é uma região sujeita a intempéries, neblina e temperaturas baixas. O ideal é ir preparado para esse tipo de clima. Integrantes do grupo perdido no dia 2 sofreram hipotermia em razão do clima na mata. "Havia no grupo uma bióloga que dizia conhecer bem a região. Embora conhecesse, o grupo não estava preparado para enfrentar a situação. A sensação térmica na madrugada pode chegar a 0°C", afirmou o capitão Pavão.

Por: Fernando Diniz
Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5230449-EI306,00-Serra+do+Mar+tem+um+caso+grave+de+perdidos+por+mes+em.html

Um comentário:

Maumau Ecos Aventura disse...

Olá! Seu blog ficará melhor se você tirar essa combinação de tipos cinza com fundo laranja, porque nesses tons é muito difícil de ler.