quinta-feira, 27 de março de 2008

Dicas de boa convivência na trilha.

Nas diversas caminhadas e travessias que já realizei naturalmente me deparei com inúmeros caminhantes em grupos grandes, pequenos, caminhando sozinhos ou até em dificuldades por terem perdido o rumo ou por terem se ferido. O fato é que a maioria das caminhadas no montanhismo são em áreas remotas, muitas vezes longe dois ou três dias de áreas urbanas por isso é muito importante manter um relacionamento sociável com os demais excursionistas, não só pela boa e velha educação e cordialidade mas também pelo fato de que você terá de recorrer a ELES caso se meta em alguma roubada na montanha.

Certa vez no meio da travessia Petrópolis - Teresópolis me deparei com um grupo grande de pessoas na trilha, pelo menos umas quinze pessoas que estavam subindo uma encosta da qual eu estava descendo. Gentilmente eu e meus companheiros saímos pela borda da trilha para o pessoal não perder o ritmo da passada. Para nosso espanto NINGUÉM sequer OLHOU para nossa cara para cumprimentar ou agradecer exceto um dos guias do grupo que passou por último. Parou, nos cumprimentou, perguntou de onde éramos e disse que aquela era uma excursão de uma operadora da cidade de São Paulo. Após esse ocorrido comecei a prestar mais a atenção e acabei constatando empiricamente que a realidade é que infelizmente a frieza e a falta de comunicação dos grandes centros urbanos acaba sendo trazida para trilha junto com alguns excursionistas que habitam estas localidades, é claro que não posso generalizar mas é o que venho observando. Muita gente nem olha do lado, não te cumprimenta, se julga superior por possuir equipamentos de última geração, acha-se imune a toda sorte que o ambiente de montanha pode oferecer, esquece-se que cada pessoa é única e também possui conhecimentos amplos em alguma coisa, pois ninguém “sabe tudo”. Enfim, tem muita gente levando o stress e a competição egoísta das grandes metrópoles para cima da montanha.

Para de alguma forma tentar minimizar estes desentendidos exponho aqui algumas regras básicas de etiqueta e conduta específica (sob meu ponto de vista) para caminhadas e travessias.

Regrinhas:

  1. Seja educado, voluntarioso e sociável com todas as pessoas que encontrar pelo caminho, sejam eles moradores locais ou excursionistas experientes.

  2. O ritmo do seu grupo deverá ser dosado pelo integrante mais lento.

  3. Não caminhe colado no companheiro a sua frente. Dê um espaço de pelo menos 7 a 8 passos.

  4. Não fique muito longe do companheiro a sua frente. Se você caminhar de modo a perder seu companheiro de vista fará com que ele tenha que parar continuamente para te esperar.

  5. Dê uma olhada para trás antes de entrar em bifurcações. Se o companheiro que vem atrás transgrediu a regra acima ele poderá se perder caso entre pela vertente errada da trilha.

  6. Fique na beirada da trilha caso necessite amarrar a bota, ajustar a mochila ou mesmo admirar a vista.

  7. Peça licença de forma gentil para passar quando um excursionista de outro grupo estiver em ritmo mais lento a sua frente.

  8. Quando seu grupo estiver descendo uma encosta e outro subindo, fique na beirada e deixe os que estão subindo passar para que o ritmo deles não seja quebrado, quem sobe tem a preferência. Cumprimente todos os integrantes do grupo, ou ao menos sorria para eles.

  9. Preocupe-se em mater um passo que todos do grupo possam acompanhar. Ao parar para descançar lembre-se que o integrante mais lento também deverá se recuperar. O que acontece geralmente é que quando o mais lento chega os mais rápidos já estão saindo, tente evitar isso.

  10. Não grite, não xingue, não passe por cima de ninguém para conseguir uma área de camping boa, siga as regras de mínimo impacto.

Enfim, tenha bom senso e educação.

Tópicos relacionados: clique aqui

2 comentários:

Mauricio Oliveira disse...

Oi André,
Parabens pelo texto!!!
Eu tb venho sentindo essa arrogância de certas pessoas nas trilhas. As pessoas passam por vc, e nem olham na sua cara. É mto chato isso... mas infelizmente temos q lidar.
As operadoras de turismo deveriam dar umas aulinhas aos participantes antes de começarem as trilhas. Que tal né?
Um abraço.

André Zancanaro disse...

É isso aí Maurício, obrigado pela obeservação. Nos resta fazer a nossa parte e tentar abrir o olho dessa garotada. Abraço.